Vai querido, que o meu beijo te enlace…

Trocaste-me o ar pelas palavras.
O vazio por te imaginar.
Por vezes as tuas palavras saíam como que uma bola de golfe contra a janela, outras faziam-me mingar de ignorância,
mas não consegui largar-te os dedos.
Aqueles dedos que nunca entrelaçaram os meus, aqueles que nunca me tocaram.

Soltavas como um balão palavras de outros que preenchiam as nossas.
E contaste-me histórias que não percebia se eram tuas ou reais.

Queria que o fossemos, mas não tive forças.
Nem para tentar, nem para o dizer.
Esperei que o lesses e que me encontrasses, mas não poderia ser uma luta de um homem só.

Enche-me de angústia saber o final de tudo,
o final que vou escrever.

Vou escorregando sem dares conta.

De forma lenta e viscosa por entre as tuas mãos.
No final é como se nunca tivesse existido,
não ficarão provas,
verás.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s