Part-time

Uma folha de espinafre ficou presa no meu anel de brilhantes e pérolas.
As palavras tiveram de ser forçadas a entrar em ti, mas valeu a pena.
Deste-me a perceber que terei de aprender a nadar para chegar a ti.

Dei-te espaço, confissões e lingerie rendada, mas não te ganhei mesmo assim.

Vais e vens como um baloiço,
E usas a minha presença quando te convém.

O enlace da tua mão prova ser mais sincero do que as palavras que, com frieza, soltas.

Las Vegas ficou com parte de nós?
A parte em que funcionávamos?

O que sentes quando te tornas invisível?
Lembras-te de mim?

Doí-me que me deixe sentir magoada por ti.
Custa-me que fujas para o teu mundo e me deixes na cartola.

Mas quando me abraças, apagas a distância.
E eu deixo.
Só para poder sentir o teu cheiro mais uma vez.

2º nível

E quando os teus olhos dizem mais do que as palavras que saem dos teus lábios?
Devo ignorá-los?

Devo dizer para mim que é tudo da minha imaginação e que não passamos de um jogo de tabuleiro?

É assim que vou jogando.

Fingindo que nada me dizem as palavras que soltas por descuido de vez em quando.
Fingindo que a forma como olhas para mim é igual à de todos os outros.

E quando sinto a tua falta?
Beijo outro. Deixo que as mãos de outro preencham os sítios onde queria as tuas.

Quando termina este nível?!

Deixo ir

Odeio-te um pedacinho agora.
Agora que me fizeste sentir como nada,
Antes quando não te lembraste,
E ontem quando emudeceste.

Queres e não queres.
Gostas, mas não sentes nada.

E eu aqui me fico no caminho.
Tentando fazer as coisas à tua vontade.
Mas não está a resultar.
De todo.

Saio magoada mais uma vez.
E outra.

E tu com os pés no mar.

Sê quem queres,
Com quem queres.

Deixo-te ir.
E desta vez, não pretendo que voltes.