19 de Janeiro

Não me sais da cabeça…
Talvez o que se passou não tenham sido só sensações.
Não devia ter acontecido!
Embora pouco tempo, a tua maneira de tocar cativou-me…
A tua boca, a tua respiração, os nossos corpos juntos,
Lembranças que passam como slides na minha memoria,
Mas o comboio já passou, e eu deixei…
Não consigo, ou talvez não queira, controlar,
O sentimento cresce, mas com medo, esmago-o e espezinho-o
Não quero querer-te!
As dúvidas de, se me queres de verdade, ou se foi apenas espontâneo, vagueiam na minha cabeça, mas já me habituei à ideia de ser apenas a “outra”, para as pessoas e contigo não ia ser diferente…
O sentimento de voltar a normalidade rotineira, não me agrada, porque sei que vou a todo o custo arranjar maneiras discretas de te olhar, de te falar, de te tocar…
Tudo para que ninguém perceba…
Também eram coisas que não devia pensar,
Maneiras de chegar ao comboio, que já se encontra em andamento e com a direção controlada…
Estou a mais…
Usada…cabra…
Nem sei…
Mas porquê?!